Uma palavra de despedida, apenas: vitórias

Publicado em: 30/09/2012

É a história de alguns fracassos e de algumas vitórias. Só. Não se pretende enegrecer, ainda mais, os sonhos sufocados pela vida. O medo constante, os desejos transidos de pavor da hora passando, enterrando soluços nos colos inexistentes das mulheres que a imaginação pintava. O amanhã, uma boca enorme aberta, pronta para engolir todos os feitos. Pequeno, ainda, em pé na mesa da sala, naquela casa de taipa, respondendo perguntas tolas de tolas visitas de meu pai: – E isso aqui, hein…? De quem é…? – Das muié bunita; E todos riam, riam, riam… Seria engraçado? Talvez fosse.

 

0 respostas

Deixe uma resposta

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *