Sonoplastia é coisa rara no rádio de agora!

Sonoplastia: é a comunicação pelo som. Abrange todas as formas sonoras. Sonoplasta: é o profissional responsável por efeitos sonoros em peças teatrais, filmes e  novelas de rádio e televisão. Foram poucos os bons operadores sonoplastas que conheci nas minhas andanças por rádios do Paraná e São Paulo.

Em Curitiba, Agni Guimarães foi meu mestre e principal sonoplasta da Rádio Clube Paranaense no início dos anos 50.  Teve atuação soberba nas muitas novelas da emissora.

Acompanhei depois Rolf Mário, que começou na Rádio Guairacá e, posteriormente, se transferiu para a Clube Paranaense, onde substituiu à altura o bam-bam-bam Agni, que havia ido trabalhar numa rádio de São Paulo.

Naqueles tempos, a sonoplastia era feita ao vivo com discos de 78 rotações. Esses dois sonoplastas eram exímios mestres na execução das marcas com lápis branco nos pontos pré-selecionados de acordes e trechos de músicas apropriados para bg (fundo) dos textos mais importantes das novelas.

O trabalho de sonoplastia só ficou mais fácil a partir do advento de gravadores, em meados dos anos 50. Inicialmente, com os semiprofissionais e, mais tarde, com a introdução de gravadores de som de maior porte.

Aí então, com a implantação de mesas (consoles) de som importadas, com 2 ou mais canais e máquinas de gravação de som – preferencialmente das marcas importadas Gate e Ampex, respectivamenete –, as novelas e peças teatrais passaram a ir ao ar pré-gravados.

Na Rádio Independência, destaco o trabalho competente de Eulampio Viana Filho, que também atuou na Clube Paranaense e na TV Paraná, Canal 6.

Em São Paulo, na Rádio Bandeirantes, tive também o prazer de trabalhar com Johnny Black – João Antônio de Souza – o Joãozinho, aquele que acompanhou Hélio Ribeiro por todas as emissoras em que o seu “Correspondente Musical” passou.

Johnny já era um sonoplasta mais afeito aos novos tempos do rádio (sem novelas). Mas fez nome como  operador atento que modulava acordes e temas musicais personalizados para que Hélio pudesse desenvolver um programa de alta sensibilidade por suas mensagens positivas, produção diferenciada de rádio nos anos 70.

Imagine se esses 4 sonoplastas de mão cheia tivessem tido em suas épocas de trabalho o apoio revolucionário de computadores e o suporte da internet, inovações que hoje são responsáveis pelas operações da maioria das rádios do País, exatamente quando a sonoplastia virou coisa rara.

Dos 3 sonoplastas de Curitiba, não lembro de nenhuma passagem curiosa. Só me recordo da boa atuação deles naqueles tempos em que se produzia dramaturgia de primeira na radiofonia da capital do Paraná.

Do paulista Johnny Black, tenho registro de um fato do qual ele participou e nos deu um grande susto. O saudoso Joãozinho, por mim convidado, fez a sonoplastia de uma novela encomendada pela Cadeia Verde-Amarela, empresa que representava comercialmente, no Rio e em São Paulo, mais de 100 emissoras.

A novela, original de bom escritor da época, Raymundo de Oliveira, teve o desempenho de um grande cast independente e foi toda ela gravada nos estúdios da Rádio Bandeirantes, no Morumbi.

Terminado o registro de todas as falas, os radioatores contratados foram dispensados e Johnny caprichava na finalização do trabalho empregando todo o seu talento a fim de dar mais vida a cada capítulo.

Quando chegou no desfecho da história da novela e seu final foi editado, eis que um desastre técnico ocorreu: Johnny, inadvertidamente, apagou o último capítulo por inteiro.

Passados os primeiros instantes de pânico, reconvocamos os radioatores envolvidos na produção, que souberam entender a falha involuntária cometida por Johnny, e retornaram aos estúdios, sem custo, para a regravação daquele último capítulo.

Depois disso, Johnny, muito precavido, tratou logo de fazer uma cópia stand-by e feliz da vida me sugeriu que o título da novela fosse mudado para Nem tudo está perdido (sic).

Como sonoplasta do Correspondente Musical, Johnny Black percorreu várias emissoras, desde a Tupi – onde Hélio Ribeiro adotou o seu trabalho –, passando por Jovem Pan, Bandeirantes, Capital e Rádio Globo, todas de São Paulo.

Hélio Ribeiro só se sentia confiante no ar com o apoio técnico de Johnny Black. Era uma perfeita sintonia entre o  improviso correto e  inteligente do apresentador e a brilhante  trilha sonora feita na hora pelo sonoplasta. Havia uma permanente cumplicidade, uma entrega total,  entre os dois.

HR disse em entrevista à CBN que “Não haveria Hélio Ribeiro se não houvesse Johnny Black”

E este “locutor que vos fala”, que foi coordenador do “Correspondente Musical” durante os seus primeiros dois anos de existência na Rádio Bandeirantes, acostumado a ver “dobradinhas” de apresentadores e operadores em várias emissoras em que trabalhou, pode afirmar:

“A afinidade que unia Hélio Ribeiro-Johnny Black era espiritual. Ia além do alto  grau profissional de ambos. Em muitos anos de profissão, não vi nada igual.”

Hoje há pouca sonoplastia no ar nas emissoras de rádio; por isso  são raríssimos  os operadores sonoplastas. Com a dramaturgia sendo toda ela transferida para a televisão, é lá que se concentram os novos sonoplastas.

Mas a sonoplastia vigente na TV tem novo formato, tipo “prato feito”, com músicas predeterminadas, escolhidas pelos autores e diretores das novelas, quase sempre dentro de um antecipado plano para promover artistas de gravadoras ligadas às emissoras.

Dos nossos 4 homenageados nesta coluna, 3 deles já foram para o andar de cima (Agni, Rolf e Johnny). Vivo ainda, e na ativa, está Eulampio, residente em Curitiba e atuando como diretor de TV.

P.S.M.1: Post Script Musical evoca Elis Regina, que desapareceu prematuramente há exatos 28 anos (Porto Alegre, 17 de março de 1945 – São Paulo, 19 de janeiro de 1982).

E a melhor forma de homenagear a talentosa cantora, a maior das intérpretes da MPB de todos os tempos, é apresentar aqui uma produção pós sua morte, no fim de 2009.

A música, lançada por ela em 1971, no álbum Ela, teve isolado o canal de sua interpretação (só a voz dela) e mereceu novo arranjo orquestral. A inédita gravação contou com outro talentoso compositor-intérprete, Milton Nascimento.

Estão postados a seguir:

1. Elis interpreta Golden Slumbers: http://www.youtube.com/watch?v=LDh-9k8zfKM;
2. Milton e os idealizadores do projeto falam sobre a original ideia: http://www.youtube.com/watch?v=lrQoUsd50-o;
3. Elis e Milton cantam juntos a linda canção de Paul McCartney, imortalizada pelos Beatles: http://www.youtube.com/watch?v=iCH6_qR7Lf0.

P.S.M.2: O baiano Caetano Veloso e a paulista Sandy interpretam Sampa, composição do próprio Caetano, espécie de hino de São Paulo, principal capital do Brasil, que está completando 456 anos de fundação com uma população estimada em mais de 11 milhões de brasileiros, segundo o IBGE divulgou em 2009: http://www.youtube.com/watch?v=akKCRcJhCcc

6 respostas
  1. Emanuel Rodrigues Lima says:

    muito legal essa matéria,adoro tudo que fala sobre sonoplastia,sonoplasta e matérias sobre radio e teve.
    Sou sonoplasta formado pelo senac e no momento ainda não estou trabalhando nessa area,mais continuo estudando muito e agregando todas essas informações que para mim é 10.
    Obrigado a todos!.

  2. alcir l. de carvalho says:

    reforço o que o amigo EMANUEL descreveu, muito interessantea matéria, minha curiosidade é: será se algumas emissoras bem avançadas ainda existe a figura do Sonoplasta. Gostaria de ter contato com um Sonoplasta, pois tenho uma lista de musicas para passar CD. Grato pela atenção

  3. eulampio vianna filho says:

    Oi caro amigo EMANUEL Fui sonoplastas de muitas novelas em Curitiba tenhos muitas histórias a contar, ..INFELIZMENTE hoje estou aposentado, não exersso mais esta profissão comecei no Rádio em 1954 NA P R B -2 ,posteriormente em várias emissoras de CURITIBA. Fui sonoplasta também na TELEVISÃO ÉM 1962 COM A FAMOSA NOVELA O DIREITO DE NASCER.,e muitas outras. Estou a sua disposição para relatar fatos da época do Rádio e da Tevisão. Fico feliz em saber atraves CAROS OUVINTES que tem pessoas interessado nesta profissão … sem mais os meus agradecimentos EULAMPIO VIANNA FILHO.

  4. Dea says:

    Muito legal o texto!

    Uma pergunta para o Emanuel: você fez este curso no SENAC recentemente? Foi legal?
    Estou realmente interessada em me tornar sonoplasta… Pode entrar em contato comigo?

    [email protected]

  5. LUCAS RENAN says:

    O texto e muito bom !!!
    gostei muito, e vai me ajuda bastante aqui na radio onde eu trabalho, porque o pessoal aqui que saber muito sobre a sonoplastia.
    aqui ainda e muito vigente a area da sonoplastia, aqui na radio onde trabalho existem muitos sonoplastas jovems que gostam muito de trabalhar na area.

Deixe uma resposta

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *