O rural no radioteatro de Florianópolis

Michel Goulart da Silva

Lendo alguns roteiros de radioteatro disponíveis no acervo da Casa da Memória, em Florianópolis, escritos entre 1955 e 1967, percebe-se que neles se manifestam tanto o otimismo da modernização daqueles anos no Brasil como o ideário dualista que via no país um antagonismo entre o “moderno” e o “atrasado”. Nessas décadas, as transformações promovidas pela modernização se expressaram e foram apropriadas de formas diversas pelas diferentes parcelas da população. O rádio, além de difundir informações e notícias para um maior número de pessoas, também dava vazão a representações culturais produzidas pelas elites locais e nacionais. Parte 1 (PDF). Parte 2 (PDF).

0 respostas

Deixe uma resposta

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *