Colômbia: novo polo internacional de TV

Fernando Morgado

A televisão latino-americana é mundialmente reconhecida pelas características muito particulares das suas produções, que são originalmente criadas para um público cujo gosto é igualmente particular. Os programas de auditório e as telenovelas são dois grandes exemplos de gêneros que encontraram na América Latina uma terra fértil para se desenvolverem, tendo Brasil, México e Argentina como tradicionais líderes. A Venezuela também chegou a ocupar um papel de maior relevância neste cenário, mas a sua atual conjuntura política e econômica acabou prejudicando muito o mercado audiovisual daquele país. Das duas maiores produtoras de TV existentes em Caracas, uma — RCTV — perdeu sua rede de emissoras, e a outra — Venevisión — viu-se obrigada a transferir praticamente todas as suas telenovelas para Miami, onde os contatos para vendas internacionais são facilitados e os custos de produção são menores.

Menores custos de produção e estabilidade política foram justamente alguns dos fatores que fizeram os maiores grupos internacionais de comunicação voltarem seus olhos para um país que, até o final dos anos 1990, não possuía tradição alguma neste setor: a Colômbia. Do monopólio estatal até a tardia abertura ao capital privado, já se passaram quase 60 anos de uma história que, de tão inusitada, ajudou a criar condições únicas que transformaram Bogotá no novo polo latino da indústria televisiva.

Monopólio estatal
Essa história começa em 1953, quando uma junta militar assumiu o governo colombiano, nomeando o Gal. Gustavo Rojas Pinilla como presidente. Ele havia tido o primeiro contato com a TV em 1936, na Alemanha, e desde então desejava em trazer este meio para o seu país. Logo que tomou posse, decidiu transformar este projeto em realidade. Até a data de inauguração já estava marcada: 13 de junho de 1954, dia em que as forças armadas completariam um ano no poder.

Para que tudo estivesse pronto a tempo, o Estado não mediu esforços: 10 milhões de pesos — uma soma altíssima para a época — foram liberados pelo Ministério da Fazenda para a compra de equipamentos. Técnicos de rádio foram formados para trabalhar em televisão, ao mesmo tempo em que diversos profissionais estrangeiros — cubanos, principalmente — foram contratados para a montagem dos primeiros programas, que, improvisadamente, eram produzidos no sótão da Biblioteca Nacional, em Bogotá.

Apenas quatrocentas famílias colombianas tiveram condições financeiras de comprar os caros aparelhos de TV. Para ampliar rapidamente a audiência, mil e quinhentos receptores foram importados pelo Governo e revendidos através de linhas de crédito especiais concedidas pelo Banco Popular.

Mesmo com todas as limitações técnicas e artísticas, conseguiu-se inaugurar a televisão colombiana dentro do prazo estabelecido e com uma imagem cuja nitidez foi muito elogiada pela imprensa da época. A programação de estreia — publicada na forma de comunicado oficial na 1ª página do jornal El Tiempode 13/6/1954 — teve duração de 3h45min e pode ser assistida através do canal 8 de Bogotá e de uma repetidora em Manizales — canal 10.

Surgem as programadoras
No início, a estação — que viria a se chamar Televisora Nacional e, mais tarde, Cadena Uno — era utilizada apenas para difusão de programas culturais e mensagens de interesse do governo da época. Aos poucos, a grade foi sendo ampliada e, em 1956, algumas faixas horárias começaram a ser arrendadas para produtoras independentes privadas, chamadas de programadoras. Essa foi a maneira encontrada pelo Estado de obter mais receita sem gerar novos custos e ainda oferecer programas mais atraentes ao grande público. As programadoras ganhavam dinheiro com a venda dos intervalos comerciais das atrações que levavam ao ar nas suas respectivas faixas. Era como se existissem várias emissoras de TV diferentes num mesmo canal.

Esses primeiros contratos não foram suficientes para evitar que a televisão colombiana entrasse nos anos 1960 em gravíssima situação financeira. Para resolver a questão, duas medidas foram tomadas: (1) criou-se um novo órgão para gerir a radiodifusão colombiana, a Inravisión – Instituto Nacional de Radio y Televisión; (2) toda a programação foi fatiada e entregue nas mãos dos programadores. Nascia assim um sistema misto de gestão de programação — ao mesmo tempo público e privado — único no mundo.

Foi a partir desta época que os colombianos passaram a se relacionar de vez com várias programadoras cujos nomes se tornariam referência em informação e entretenimento durante as décadas seguintes: Punch, RTI, Producciones JES, Cinevision, ProyectamosTV, InterVisión, Promec, Programar, Datos y Mensages, Coestrellas, Colombiana de Televisión, Tevecine, Televideo, Caracol, RCN, entre outras.

A abertura do mercado
O segundo canal de TV na Colômbia e o primeiro com capital 100% privado nasceria somente em 1966. Tratava-se da Teletigre, canal 9 de Bogotá, criada pela política Consuelo de Montejo em parceria com a rede estadunidense ABC. Por problemas financeiros, a emissora durou apenas três anos e logo foi encampada pela Inravisión, que a transformou na Cadena Dos e implantou o mesmo modelo misto de gestão adotado na estação pioneira.

Os anos 1970 foram marcados pela chegada das cores à televisão, implantadas gradualmente entre 1974 e 1979. Os anos 1980, por sua vez, ficaram na história como o período em que a TV chegou ao interior do país através da instalação de diversas estações regionais: Teleantioquia, Televalle — hoje Telepacífico —, Telecafé, Telecaribe, entre outras. Todo esse processo foi conduzido pela Inravisión em parceria com as programadoras — em especial a Televideo, que não apenas geriu parte da programação como também foi responsável pelo projeto dos estúdios de algumas destes novos canais.

Entre o final da década de 1980 e a primeira metade dos anos 1990, o caminho começou a ser aberto para que o capital privado fincasse de vez a sua bandeira no topo da televisão colombiana. Primeiro foi através da TV paga, que chegou a Bogotá em 1987 por meio da oferta de quatro canais UHF codificados — uma modalidade de serviço que fez muito sucesso na Europa, mas que não chegou a ser tão difundida no Brasil. Depois, com promulgação da Constituição de 1991, previu-se a liberdade de criação de mais meios de comunicação e a fundação de um novo órgão regulador para a televisão. Com isso, quatro anos mais tarde, nascia a CNTV – Comisión Nacional de Televisión. Foi ela a responsável por autorizar o surgimento de dois novos canais comerciais: RCN e Caracol, ambos inauguradas em 10 de julho de 1998.

As duas redes privadas colombianas estão vinculadas a gigantes industriais. A Caracol – rede líder de audiência – é controlada por um dos homens mais ricos do mundo: Julio Mario Santo Domingo, cuja família fez fortuna na indústria cervejeira e também controla diversos outros veículos de comunicação, como o jornal El Espectador e a revista Cromos. Já a RCN pertence a Carlos Ardilla Lülle, engenheiro que começou sua atividade empresarial com a fabricação de bebidas não-alcoólicas e logo expandiu sua presença para outros mercados — agroindústria, tecidos, serviços financeiros, plásticos, venda de automóveis, alumínio e futebol (por meio do Atlético Nacional de Medellín).

O fenômeno Betty, a Feia
Com todo este suporte econômico, não surpreende o fato da Colômbia ter conseguido marcar sua posição no cenário televisivo internacional logo no primeiro ano de operação das novas emissoras privadas. O divisor de águas desta história foi o lançamento, em 1999, de dos maiores fenômenos da teledramaturgia internacional em todos os tempos: Yo soy Betty, la Fea.

Criada por Fernando Gaitán, dirigida por Mario Ribeiro Ferreira e produzida pela RCN, a divertida história de amor entre a secretária Betty e seu chefe Armando Mendoza tornou-se um sucesso imediato não apenas em seu país de origem como também nos mais de cem mercados onde a versão original foi exibida. Além disso, mais de vinte adaptações locais desta trama foram gravadas ao redor do mundo, com destaque para as versões realizadas no México — La Fea Más Bella —, Estados Unidos — Ugly Betty —, e, mais recentemente, no Brasil — Bela, a Feia.

Yo soy Betty, la Fea não foi apenas mais uma novela latina que fez sucesso internacional, assim como tantas outras nos últimos cinquenta anos. Ela trouxe diversas inovações na forma de se criar e produzir teledramaturgia, conforme Arlindo Machado e Marta Lucia Vélez sinalizaram no artigo O quartel das feias, publicado na edição de agosto de 2008 dos Cadernos de Televisão:

A telenovela colombiana Yo Soy Betty, la Fea […] sacudiu um pouco esses esquemas, sobretudo pela introdução de três importantes desvios nos cânones novelescos: primeiro, transformou a telenovela num gênero híbrido, misturando o melodrama com a comédia de situações (sitcom), além de encostar também em outros gêneros televisivos; segundo, modificou o estereótipo da mulher na telenovela, fazendo emergir personagens femininos completamente fora do padrão convencional; e terceiro, introduziu na telenovela personagens e situações da vida real, confundindo-se, em alguns momentos, com os formatos jornalísticos, como a reportagem e o documentário.

A Colômbia no mapa da TV mundial
O sucesso de Betty acabou por transformar-se num grande cartão de visitas para a Colômbia, apresentando o país como um novo polo audiovisual que conta com custos mais competitivos, mão-de-obra qualificada e boa capacidade em acolher profissionais estrangeiros. Além disso, outros fatores como o controle da violência e relativa proximidade geográfica com os Estados Unidos — uma viagem entre Bogotá e Miami não dura mais que 5 horas — chamaram a atenção de gigantes como a Fox, que adquiriu o controle da produtora e programadora Telecolombia em julho de 2007. Hoje, a FoxTelecolombia responde por 60% de tudo que o grupo estadunidense investe em produção na América Latina.

Outra que também aterrissou em solo colombiano foi a Sony, que, em 2009, comprou 50% da produtora Teleset com o objetivo de transformá-la em sua base de produção de conteúdos para os falantes da língua de Cervantes.

Naquele mesmo ano, a Organización Cisneros — proprietária da rede Venevisión — também anunciou acordo com outra empresa local, a Televideo, visando à construção de um grande centro de produções em Bogotá. Falou-se de um investimento na ordem de US$ 250 milhões de dólares que geraria mais de 3 mil empregos diretos. Apesar da obra ainda não ter sido iniciada, um primeiro fruto desse casamento nasceu em 2010: trata-se da novela Salvador de Mujeres, produzida pela Venevisión, gravada na Colômbia e já exportada para 14 países.

O futuro do mercado televisivo colombiano parece muito promissor, apesar das recentes acusações de falta de transparência no processo de licitação para o terceiro canal privado a ser lançado no país. Nesta concorrência, estão envolvidos grupos tradicionais como Prisa, El Tiempo, Antena 3, Planeta e Cisneros. Ainda assim, o fortalecimento do mercado interno, o aumento da demanda por conteúdo em espanhol em todo o mundo e a conquista de maior reconhecimento internacional por parte dos programas hechos en Colombiacontinuarão a atrair novos e maiores investidores para este país, que deve passar a ser visto com maior atenção pelos pesquisadores e profissionais de comunicação do Brasil.

0 respostas

Deixe uma resposta

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *