As pioneiras: Rádio Videira

O trem de ferro animava com seus longos apitos as manhãs e as tardes de Videira trazendo e levando noticias, trazendo e levando pessoas, deixando e levando cargas que traziam o progresso do município. Aí nasceu a Rádio Videira.
Por Antunes Severo

Como o trem, a Rádio Videira é um veículo que vai fazer a ligação das pessoas no município e na região do Vale do Rio do Peixe. Com algumas diferenças, é bem verdade, mas sempre solícita e fiel aos seus horários de chegar e partir. E com a grande vantagem de que não está limitada ao caminho dos trilhos. Chega em qualquer recanto desde que tenha um radinho de pilha, um “rabo quente”, ou mesmo um daqueles tradicionais valvulados ainda do tempo da guerra.

É a tecnologia chegando para aproximar as pessoas com música, notícia, entretenimento e informação de utilidade pública. A Rádio Videira Ltda segundo pesquisa de Ricardo Medeiros e Lúcia Helena Vieira, teve sua permissão outorgada pela Portaria nº 397, de 28 de abril de 1948 e publicada no Diário Oficial da União de 8 de maio do mesmo ano. Passou a operar em caráter experimental no dia 30 de setembro de 1949, à rua Pedro Andreazza, com prefixo ZYW-6 e na freqüência de 1570 quilohertz. Teve como seus sócios fundadores Homero Camargo de Oliveira, Werner Emílio Valdemar Stange e Celso Waldemar Kuss.

A Rádio Videira teve um predecessor que ficou famoso na época: o serviço de alto falantes de Fredolino Otto Blauth. Em termos de impacto local o “som da praça” ganha de 10 a zero da rádio que veio depois. Mas, em abrangência não se compara, a rádio devolve o placar!

De acordo com a pesquisa histórica publicada no site da emissora, a iniciativa de Fredolino foi logo apoiada pelos comerciantes Américo Salmório e Ângelo Ponzoni. O sistema de alto-falantes, diz a pesquisa, foi implantado “na residência de Fredolino Otto Blauth, situada no local onde hoje está erguido o Mercado de Tecidos Leon, funcionando com três altos falantes ligados através de fios, situados respectivamente no lado externo da residência Blauth, na praça D. Pedro II e na rua Floriano Peixoto, confluência coma travessa Santa Catarina“. Clemente Cunha, o primeiro locutor, comandava as atrações anunciando músicas, notícias, anúncios de interesse público e pronunciamentos de autoridades e empresários.

Em janeiro de 1948, Homero Camargo de Oliveira, Wermer Emílio Waldemar Stange e Celso Waldemar Kuss compram o serviço de alto-falantes que daria origem à Rádio Videira Ltda.

A ZYW6, com potência de 100Watts, começou funcionando no horário das 10h00 às 13h00hs e das 14h00 às 22h00hs diariamente, transmitindo – entre os principais programas – a Hora Alemã e o Programa de Calouros, ambos realizados aos domingos, no período da manhã. O auditório da Rádio Videira, como registra o site da emissora “se tornava pequeno para receber o público que dominicalmente comparecia prestigiando o Programa de Calouros, animado por Eddie Palmichl, com a colaboração de Damira Antunes de Oliveira, Woschengton da Silva, Luiz Golgaro e Guiomar Caldart e posteriormente Gessi de Oliveira Sinsker“. Fazem parte do elenco pioneiro da Rádio Videira a dupla Circuito e Faísca, integrada por David Castoldi e Diamantino Lopes de Miranda. Higino Lazzari, Dino Marafon e Rubi Skalee compunham o trio de violinos que apresentava música clássica, enquanto o acompanhamento dos calouros era feito por Delneto Leite com seu conjunto “Regional W6”.

No ano de 1950 a Rádio Videira Ltda passa às mãos de outros donos. Agora são sócios- cotistas: Celso Waldemar Kuss, Ricarte Otto Blauth, Américo Salmória, Armelindo Leonardo Dresch, Saul Brandalise, Rene Carlos Frey, Adolpho Brasil Viana, Oswaldo Heusi, César Augusto, Mário Germano Grazziotin, Luiz Golin e Renato Pereira Gomes. Nesse período a emissora viveu momentos de grande popularidade com os programas noticiosos e a produção literária local destacando-se as crônicas e radio novelas, criadas, produzidas e interpretadas por integrantes da comunidade local. Como registra o site da Rádio Videira “a Rádio Videira acompanhava e participava de todos os momentos“ da vida da cidade “sendo história e fazendo história“, pois estava presente também nas camadas mais populares prestigiando iniciativas como o caso dos “Bailes do Caruncho” transmitidos do espaço onde se realizavam.

Outra mudança no quadro diretivo da emissora se dá em 1958. Assumem o comando da empresa os acionistas Osvaldo e Irmã Heusi e passam pelos microfones da ZYW-6 nomes como Manoel Pedro dos Passos, Wilma e Ralf Guido Fantin, Afonso Braz, Ari Antunes dos Santos, Maria Ferreira, Albertino Ferreira, Eva Maria Lins, Nilton Scussiato, Tadeu Comerlato, Evanir Palmichl, Moacir Schüller, Elza Schneider, Liete Baungaertner, Elisa Maria Vacchi, Jairo Lisoski, Cezar Romella, Jorge Romella, Rui Rosseto e Joarez Cadagnoni.

A emissora intensifica a sua participação comunitária dando cobertura e promovendo campanhas como a do asfaltamento da SC-453 trecho Lebon Regis – Fraiburgo – Videira.

Em 24 de outubro de 1966 nova mudança de comando. A Rádio Videira passa a pertencer a Antônio Abelino Luvesa e Wilma Faltin. Maria Ribeiro da Silva Luvesa, assume a coordenação de programação da emissora e estabelece mudanças estruturais na grade de programação que passa tocar músicas por ordem alfabética.

O prefixo da Rádio Videira passa a ser, a partir de 05 de Dezembro de 1973 – ZYH 255.

Em 15 de abril de 1978, retirou-se da sociedade Rádio Videira Ltda, o cotista Antônio Abílio Luvisa, que vende sua participação na sociedade a Edylio Domingos Luvisa. Sugue-se uma série de modificações acionárias até a emissora ficar sob o controle de    Edylio Domingos Luvisa, Maria Ribeiro da Silva Luvisa e Mirtes Sandrin Luvisa.

Em 28 de Dezembro de 1981, nova alteração contratual. Mirtes Sandrin Luvisa, transfere suas quotas para Marli Leonor Nodari Brandalise e Edylio Domingos Luvisa, vende parte de suas quotas a Saul Brandalise Júnior que assume a direção da emissora, tendo como gerente Wilma Faltin. Atualmente a Rádio Videira AM é dirigida por Neliege Pagnussat de Souza que se reporta ao diretor da rede Dionísio Zago.

Fontes consultadas

Ricardo Medeiros e Lúcia Helena Vieira. História do Rádio em Santa Catarina. Florianópolis: Insular, 1999.

www.radiovideira.com.br

Na próxima semana: lançamento da série Astros e Estrelas do Rádio Catarinense.


{moscomment}

6 respostas
  1. Artur Fernando W Biavatti says:

    Attílio Fontana atravessou a nado o rio Pelotas e chegou em Santa Catarina, “só de tanga”, visual que provocou a paixão da, então romântica, brejeira e bela CONCÓRDIA, que é logo “embutida”, e a “barriga verde” amadurece, daí nascendo em 07 de junho de 1944 uma filha bem produzida: SADIA; e ela, na procura de seu elo, no Vale do Rio do Peixe, encontra, à sombra da VIDEIRA de Saul Brandalise, um bem temperado PERDIGÂO maturado desde 1934, que há 16 anos lhe “arrastava a asa”; e dessa união de carnes nasce, em maio de 2009, Brasil Foods.

    O nome Santa Catarina Alimentos, seria mais justo com os Pioneiros e Operários do Meio Oeste Catarinense além de que, SCA reafirmaria, na mente e no palato dos Consumidores, o sabor, o local e a tradição que os Primeiros temperaram nestes últimos setenta anos.

    Menos mal que, por enquanto, em sadia concórdia , não podaram, nem às asas do perdigão, nem aos ramos da videira.

    Artur F W Biavatti
    PoA junho 2009

  2. antonio cesar ramella says:

    fiquei demasiadamente emocionado ver meu nome e de meu irmão Jorge Ramella no histórico dessa nossa Radio Videira. Me realizou voltar para anos 60 na historia de nossa vida. Quê Emoção !!!!!!!!!!
    Antonio Cesar Ramella
    Rua Dr Castro de Menezes 943
    Porto Alegre,RS

  3. gustavo pagliari says:

    eu quero pedir a musica para minha mãe marli e para meu pai amarildo , eu quero a musica lucinação do leonardo e tmb quero participar do sortei

    muito obrigado

  4. ricardo busnello says:

    amigo zago, gostaria de voltar a morar em videira sera que poderias me arrumar um serviço em sua cadeia de radios.para lembrares de mim sou de apucarana, trabalhamos na perdigao

  5. Ruy Rossetto says:

    Por pouco tempo estive trabalhando nesta emissora, mas foi na época em que o Brasil foi Tri-Campeão Mundial de Futebol. Diretores na época: Antonio Abilio Luviva, e Wilma Faltin. Locutores no Período(que lembro): Pedro Ferreira, Moacir Schüler, Helga Schneider, Manoel Pedro dos Passos e Jorge Gonçalves. Eu trabalhei só pouco antes de sair na locução, pouco tempo e em poucas ocasiões. No início trabalhei na Redação, Programação e na mesa de som. Também lembro da Elfi Schneider que trabalhou neste periodo e quando os estúdios eram na rua XV de Novembro, 422.

  6. JOTA LEITE says:

    por um bom e ótimo tempo trabalhei na Radio Videira, foi uma época inesquecível para quem viveu momentos felizes de vida. Tenho saudade e ainda um dia voltarei ara abraçar amigos, que tenho certeza estarem ai. Um abraço a todos de Videira e a equipe a Radio que infelizmente não conheço muita gente. continuo na ativa se quiserem me contar estou a disposicao. ate breve.

Deixe uma resposta

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *